Pular para o conteúdo principal

Você é criativo? Descubra como registrar uma patente e proteger a sua ideia

Stephanie Kohn

Quando o analista de suporte Israel Dias teve a ideia de uma "latinha falante", ficou tão empolgado que acabou contando para todo mundo. E o resultado não podia ter sido pior: um publicitário "roubou" sua ideia e apresentou o conceito inovador do produto à Skol. Em alguns meses, a marca lançou as latinhas para a Copa do Mundo e o produto virou febre. Israel, portanto, ficou para trás. (para quem não se lembra, veja o vídeo das latas abaixo)

Leia também:
Guerra de patentes: como e por que as empresas brigam tanto?


A sorte dele é que, no Brasil, o dono da patente é aquele que a registra primeiro, e a marca de cerveja não correu atrás desse documento. "Eu não sabia o que era patente, então comecei a pesquisar como proteger minha ideia", conta.

O primeiro passo para registrar uma patente é redigir um pedido com muito cuidado, explicando de forma adequada o que quer proteger. A partir daí, você deve depositar o seu pedido no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) e aguardar o exame. Para fazer o pedido da patente, é necessário pagar uma taxa de R$ 80 mas, segundo Israel, existem inventores que têm o pedido devolvido dezenas de vezes - e a cada reapresentação, uma nova taxa deve ser paga. 

Esta é só a primeira etapa. Quem já passou por esse processo garante: muitas outras taxas e dores de cabeça surgem ao longo do caminho. O registro exige uma série de documentos e desenhos complicados, além de muita disciplina para não perder os prazos. 

Por conta disso, Israel optou por uma forma mais curta para registrar sua ideia: procurou uma instituição que pudesse ajudá-lo. O custo, porém, não é dos menores: ele pagou R$ 8 mil para uma empresa especializada nesse trabalho e depositou a ideia de suas latinhas. Agora, ele aguarda o número definitivo de registro e a carta de patente. "O valor depende do projeto, mas o bom é que eles te ajudam em tudo, inclusive na proteção judicial”, conta.

Existem diversas associações que auxiliam o inventor desde o registro da patente até a comercialização da ideia. O Museu dos Inventores é uma delas. "A gente faz buscas nos bancos de patentes, prepara o texto e desenhos técnicos dos produtos ou conceito, faz o depósito da patente e acha alguém que queira comprar a ideia", comenta Daniela Mazzei, gerente da associação. "Do momento em que a pessoa apresenta a ideia até o depósito da patente demora cerca de um mês", completa.

Mesmo com essa "mãozinha" que a associação oferece, existem alguns pontos que dependem de você como a criatividade e inovação. Segundo o INPI, para que sua patente seja aprovada é necessário descobrir se a invenção já existe. Fora isso, é importante lembrar que o invento deve ser novo, não ser óbvio para uma pessoa com conhecimento sobre o assunto e ter aplicação industrial. 

Após concedida, a patente de invenção tem validade de 20 anos e o Modelo de Utilidade (inovações com menor carga inventiva) de 15 anos, contados a partir da data de depósito. Há ainda o pagamento de anuidades enquanto a patente estiver válida. Porém, pessoas físicas e pequenas empresas têm o beneficio de uma redução das taxas. 

Quem opta por encarar o sistema do INPI, depois do depósito, acaba ficando "sozinho no mundo". Ou seja, é o próprio inventor quem deverá dar continuidade à ideia e tentar vendê-la para alguma empresa interessada. Já ao contratar a associação, é ela que trabalha para apresentar o produto para o mercado. O Museu dos Inventores corre atrás de companhias que tenham a ver com a ideia ou apresentam a invenção para suas empresas parceiras que estão sempre de olho no mercado de inovação. Fora isso, eles divulgam a patente por meio de uma assessoria e um programa de TV.

Mas, não pense que tudo isso sai de graça. Além do dinheiro desembolsado no início do processo, a associação exige um percentual do lucro de cada ideia. Ao contratar os serviços de uma empresa como essa, o inventor não tem grandes preocupações, mas precisa ter um belo pé de meia para bancar esse auxílio. No entanto, a própria diretora substituta do INPI, Liane Lage, concorda que pedir ajuda pode ser uma boa ideia, já que o inventor isolado não tem muita noção de produção industrial. 

Israel também dá a mesma dica e acrescenta: "O problema do INPI é que eles deixam que você dê entrada no pedido mesmo que as papeladas estejam todas erradas e só depois recusam. Com a ajuda de empresas que conhecem as burocracias tudo fica mais fácil", lembra o inventor que aguarda o depósito de outra invenção: bótons com áudio.

Obviamente, se você está sem grana, o ideal é estudar muito bem o mercado de patentes, ter paciência e se arriscar sozinho pelo INPI. O depósito pode ser burocrático e demorado, mas no final você pode colher bons frutos. Segundo a gerente do Museu dos Inventores, existem muitos casos de pessoas que enriqueceram com uma invenção e até abandonaram seus empregos. O criador dos macarrões de piscina coloridos que tanto fazem sucesso entre a molecada é um deles."Tem que apostar, acreditar e investir na ideia", conclui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de configuração do CURA usando PLA

Essas são as configurações que eu fiz em minha impressora ANET A8 para imprimir no PLA.

Criei 2 perfis, um com média qualidade (0,2mm) e outro com alta qualidade (0,1mm).

Média Qualidade



 Alta Qualidade

No filme o Livro de Eli, o personagem principal é cego?

Acho que o filme vale a pena, não só pela excelente fotografia, mas por alguns outros pontos. Eli pode ser cego sim. Ainda vou assistir mais uma vez o filme para confirmar, mas alguns detalhes são importantes para serem notados:
1) Cegos geralmente usam óculos de sol, portanto o fato de todo mundo usar, esconde um pouco o fato de ele usar.
2) Nem todos os cegos tem olhos do mesmo jeito. Se ele não for completamente cego, ele é o suficiente para ter que aprender Braile
3) Ele não olha para o sol e sim o sente em sua face.
4) Ele não encherga que a bateria de seu iPod está acabando? pq fica batendo nele?
5) Vai para o escuro lutar com os primeiros bandidos. Uma tremenda vantagem para quem é cego. Técnica muito usada pelo super-herói Demolidor.
6) Só atira qdo ouve de onde vem o tiro. Se ninguém atirar ele não revida.
7) Ele mata um passaro pelo som. É forçado ele acertar tudo, mas isso é para deixar a gente confuso.
Pois bem, só assisti uma vez, mas vou confirmar isso tudo na segunda. Acho qu…

Suporte para Notebook com tubos de PVC

Fonte: http://tecnicolinux.blogspot.com.br