Pular para o conteúdo principal

Guia completo para aprender fotografia

Fotografia é uma arte apreciada por muitos, e para começar a falar dela, o melhor é começar pela sua etimologia:  “Foto-Grafia. Escrever com luz”. Mais especificamente, do grego “fós” (“luz”), e ”grafis” ou “grafê” (“pincel”), ou algo como desenhar com a iluminação. E essa é mesmo a melhor forma de fazer com que alguém entenda a essência da arte de fotografar.
Até pouco tempo atrás, a importância da luz era algo mais óbvio na fotografia, já que o uso dos filmes (e sua sensibilidade à iluminação) deixava isso bastante claro. Hoje, com a popularização das imagens digitais, a criação da fotografia dentro da câmera virou algo muito mais abstrato. Ainda assim, a luz é o ponto essencial para criar uma imagem – e você já vai entender o porquê.

Como funciona a câmera fotográfica


Poderíamos passar um bom tempo detalhando o funcionamento de uma câmera, mas vamos direto ao ponto que vai ajudar você a entender melhor como tudo acontece. Na hora do clique, a luz do local passa pela lente e é enviada ao sensor – no caso das analógicas, para o filme. Tudo o que estiver iluminado o suficiente vai aparecer, formando a imagem.
A quantidade de luz que entra na câmera é o que determina se ela terá uma exposição apropriada ou se ficará superexposta ou subexposta. Para definir isso, o fotógrafo precisa levar em conta três variáveis, sempre considerando a iluminação do ambiente: ISO, abertura do diafragma e velocidade do obturador. Todas elas podem ser alteradas em equipamentos que contam com o modo M (manual).

ISO


Também chamado como "velocidade do filme", o ISO é o que determina a sensibilidade do filme perante a luz. Nas câmeras analógicas, é preciso escolher o ISO na hora de comprar um filme. Os mais sensíveis e mais indicados para ambientes escuros são os de ISO mais alto, como o ISO 800. Os menos sensíveis e indicados para lugares com muita luz são os de baixo ISO, como o ISO 100.

ISO
 Filmes de diferentes ISO. Imagem: Reprodução/Lomography

O mesmo conceito foi levado para a fotografia digital: em uma câmera, você pode determinar o grau de sensibilidade do sensor à luz. Ao escolher um ISO mais alto, porém, a granulação na imagem também aumenta.

Como configurar?

Os menus variam a cada marca e modelo de câmera. Por isso, no modo manual de seu equipamento, procure pelo ISO nos menus de ajuste. Quanto mais alto o número, mais sensível seu sensor ficará.

Obturador


O obturador é um dispositivo da câmera que determina por quanto tempo o filme ou o sensor digital será exposto à luz. O obturador só é aberto com o acionamento do botão de disparo, fazendo com que a luz entre no equipamento.
Para entender melhor a relação do obturador com o resultado da imagem, imagine o seguinte: um fotógrafo está parado e se prepara para fotografar um objeto em movimento. O objeto então atravessa o quadro determinado pelo fotógrafo, horizontalmente, até sair de cena. 
Se a velocidade de abertura do obturador for baixa e o mecanismo permanecer aberto por mais do que uma fração de segundo, a imagem será captada continuamente, enquanto o objeto passa por frente da câmera. O resultado seria uma imagem borrada.

Como configurar?

O tempo de exposição se mede em frações de segundo. Em uma câmera comum, ele pode variar entre 30s até 1/4000. Algumas câmeras também contam com o modo “B” (bulb), que deixa o obturador aberto pelo tempo em que o botão de disparo estiver pressionado.
O número indicado no display da câmera é sempre a parte de baixo da fração, ou seja: na exposição 1/3000, a câmera deve exibir apenas o número 3000. Ao passar para os segundos, o equipamento passa a usar apóstrofes para indicar o tempo (2’ para dois segundos, por exemplo).

Diafragma


O diafragma é o que define a quantidade de luz que entrará na câmera, indicando a intensidade com a qual o sensor (ou o filme) receberá a luz. Enquanto o obturador determina por quanto tempo o sensor será exposto, o diafragma é o que faz com que o equipamento receba muita ou pouca luz.

diafragma
Imagem: Reprodução/PhotoCentral

Ao contrário do obturador, que abre e fecha a cada disparo, o diafragma fica sempre aberto na posição indicada pelo fotógrafo. O diafragma forma uma dupla inseparável com o obturador: o fotógrafo sempre precisa ajustar ambos os elementos para obter a imagem desejada. 
Por exemplo: você pode aumentar a abertura do diafragma para fazer imagens nítidas de um objeto em movimento em um ambiente menos iluminado. O diafragma fica na própria lente e a sua capacidade de abertura varia conforme o modelo escolhido.

Como configurar?

O diafragma é medido por um valor determinado pela letra “f”. Quanto menor o valor de f, mais aberto estará o seu diafragma. Como já citamos, a capacidade de abertura do diafragma vai depender da lente utilizada. Lentes consideradas “mais claras” podem ter aberturas a partir de f/1.4, por exemplo, enquanto as lentes comuns partem de f/2.8, chegando até ao f/11 ou f/22.

O fotômetro e a exposição ideal


Para quem está começando, o “cálculo” para determinar cada elemento pode parecer um pouco confuso. Por isso, você vai precisar ficar sempre de olho em um dos elementos mais importantes do equipamento: o fotômetro. 
O mecanismo ajuda os fotógrafos a perceberem se a imagem terá a exposição adequada, mesmo antes de fazer o clique. O fotômetro interpreta a luz do local conforme as configurações determinadas pelo usuário, indicando o quão próximo da exposição “perfeita” ela ficará.

fotometro
Marcação do fotômetro

Sua medição aparece em uma pequena régua, como a da imagem acima. Se a seta estiver no meio, significa que a exposição é a ideal. Se ela estiver pendendo para o lado esquerdo, a fotografia ficará muito escura. Se ela pender para o lado direito, significa que há luz em excesso entrando na câmera, o que poderá deixar a foto muito clara. Nos casos mais extremos, a imagem subexposta ficará completamente preta, enquanto a superexposta ficará totalmente branca.

Balanço de branco


A luz que bate nos objetos e é refletida para dentro da câmera pode aparecer em diversas cores. Isso muda conforme a fonte de iluminação usada e a cor dos próprios objetos, que podem refletir tons diferentes. Para que as cores sejam apresentadas da maneira correta, é preciso manter o ajuste sempre da forma adequada para cada situação.

WB
Imagem: Tradução/Exposure Guide

A diferença nos tons é medida por algo chamado temperatura de cor, que é medida em Kelvins. Para entender um pouco melhor, você pode conferir a medição na tabela acima.

Como configurar?

Existem diversas formas de ajustar isso: algumas câmeras contam com o controle manual e outras trazem o balanço pré-definido e você só precisa escolher opções entre “Sol”, “Luz incandescente”, por exemplo. 
Sua câmera também deve contar com o modo automático (AWB). Ele pode ser uma boa opção para quem não quer perder tempo com o ajuste, mas tende a deixar as imagens sem vida.  Se for o caso, você também pode fazer as correções necessárias posteriormente, por meio de softwares de edição, porém, isso já é uma missão para os mais experientes.
Nem todas as câmeras contam com o ajuste de balanço de branco manual, mas, se ele existir, procure no manual o caminho do menu para chegar até ele. Com isso, é hora de “bater o branco”. 
Escolha uma superfície de cor cinza não muito escura e pouco refletiva (muitos fotógrafos preferem carregar um cartão cinza 18% especificamente para isso) e faça a nova medição. Na falta do cartão cinza, escolha uma superfície branca, porém, essa não é a melhor opção.

Foco


Nem sempre uma foto sai completamente nítida, o que pode indicar que ela tenha ficado fora de foco. O foco pode ser uma arma poderosa para quem quer criar belas imagens. Escolhendo qual objeto vai ganhar destaque, você pode mudar completamente a sua fotografia.

Como ajustar?

O foco pode ser ajustado de forma manual, girando o anel de foco da lente até que você visualize o assunto completamente nítido na tela. Se preferir, você pode deixar a câmera no modo manual e o próprio equipamento vai interpretar o que precisa ganhar destaque na imagem.

Profundidade de campo


caroline hecke
Baixa profundidade de campo deixa elementos mais distantes desfocados. Imagem: Caroline Hecke

A profundidade de campo, também conhecida como DOF (“depth of field” em inglês) é o que define o quanto os objetos próximos do foco da imagem também estarão focados. Quanto maior o DOF, mais coisas ao redor do objeto ficarão focados. Com um DOF menor, tudo ao redor do seu objeto principal poderá perder o foco.

Como controlar?

Existem duas formas de controlar a profundidade de campo: mudando a abertura do diafragma e mudando a sua posição perante o objeto fotografado. Com uma maior abertura (f/1.4, por exemplo) o DOF será menor, o que deixará o fundo da imagem mais desfocado; com uma abertura menor, a profundidade de campo aumenta.
Para lentes mais simples, com menor abertura, você pode aumentar a profundidade de campo ao se aproximar do objeto. Quanto mais perto do objeto fotografado, mais desfocado ficará o fundo, porém, o efeito não é tão impressionante quando com o ajuste feito pelo diafragma.

É hora de praticar


Depois que você já conhecer bem o funcionamento da sua câmera, o primeiro passo é observar imagens que você considera bonitas e tentar entender como elas foram criadas. Isso ajuda a aumentar o domínio das técnicas e também auxilia na criação de uma linguagem própria.
Em alguns grupos específicos de discussão ou redes como o Flickr, você encontra detalhes sobre as fotografias, como as configurações de ISO, velocidade e abertura utilizadas. Em alguns casos, os relatos do fotógrafo também podem detalhar o trabalho.
Você pode tentar recriar imagens com a sua própria câmera, encontrando a sua própria versão daquilo que gosta. Após algum tempo, você será capaz de trilhar seu próprio caminho usando a criatividade ao somar técnicas e criar seu próprio estilo.


Matéria completa: http://canaltech.com.br/materia/fotografia/Guia-completo-para-aprender-fotografia/#ixzz306Aq5rK8 
O conteúdo do Canaltech é protegido sob a licença Creative Commons (CC BY-NC-ND). Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

No filme o Livro de Eli, o personagem principal é cego?

Acho que o filme vale a pena, não só pela excelente fotografia, mas por alguns outros pontos. Eli pode ser cego sim. Ainda vou assistir mais uma vez o filme para confirmar, mas alguns detalhes são importantes para serem notados:
1) Cegos geralmente usam óculos de sol, portanto o fato de todo mundo usar, esconde um pouco o fato de ele usar.
2) Nem todos os cegos tem olhos do mesmo jeito. Se ele não for completamente cego, ele é o suficiente para ter que aprender Braile
3) Ele não olha para o sol e sim o sente em sua face.
4) Ele não encherga que a bateria de seu iPod está acabando? pq fica batendo nele?
5) Vai para o escuro lutar com os primeiros bandidos. Uma tremenda vantagem para quem é cego. Técnica muito usada pelo super-herói Demolidor.
6) Só atira qdo ouve de onde vem o tiro. Se ninguém atirar ele não revida.
7) Ele mata um passaro pelo som. É forçado ele acertar tudo, mas isso é para deixar a gente confuso.
Pois bem, só assisti uma vez, mas vou confirmar isso tudo na segunda. Acho qu…

Dica de configuração do CURA usando PLA

Essas são as configurações que eu fiz em minha impressora ANET A8 para imprimir no PLA.

Criei 2 perfis, um com média qualidade (0,2mm) e outro com alta qualidade (0,1mm).

Média Qualidade



 Alta Qualidade

Gigantes da Indústria - Documentário

A América não foi descoberta, foi construída. Os nomes Rockefeller, Vanderbilt, Carnegie, Astor, Ford e Morgan são sinônimos do chamado "sonho americano". Eles desenvolveram uma visão ousada e criaram grandes indústrias que foram base para o progresso no mundo. São indústrias de combustível, estradas de ferro, aço, transportes, automóvel e finanças. Eles estabeleceram políticas econômicas, se envolveram em eleições presidenciais, e sua influência sobre os acontecimentos mais importantes do século passado é incalculável.


Gigantes da Indústria - Ep 1 Começa outra Guerra [History Channel HD]


Gigantes da Indústria - Ep 1 Começa outra...por DOCUMENTARIOSBM


Gigantes da Indústria Ep 2 Encontrando Petróleo [History Channel HD]


Gigantes da Indústria Ep 2 Encontrando...por DOCUMENTARIOSBM


Gigantes da Indústria - Ep 3 Nasce a Rivalidade [History Channel HD]


Gigantes da Indústria - Ep 3 Nasce a Rivalidade...por DOCUMENTARIOSBM


Gigantes da Indústria - Ep 4 Derramamento de Sangue [History…