Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2017

Como os M&Ms foram usados para detectar erros de logística em show de rock

Para os roqueiros jurássicos como eu , sabem que em meados da década de 1980, o Van Halen arrastava multidões a seus shows, não só pela qualidade de canções como dance the night away e Jump mas também pela sua caprichada produção. Atuavam também como uma empresa em razão da gestão com que a banda geria seus negócios, em uma epóca com tecnologia inferior a de hoje. Um bom planejamento logístico era crucial para que tudo desse certo nos shows. Fazer pedidos extravagantes para os produtores de show, é coisa mais do que habitual no cenário musical, mas a banda usou um artifício bastante interessante e inteligente nas cláusulas do seu contrato.

E o que os doces M&MS tinham a ver com isto?

Você verá seguir, como um planejamento logístico pode furar no descuido com detalhes.
Nas mais de cem apresentações realizadas em 1984, por exemplo, os equipamentos lotavam nove caminhões, além de exigir uma intrincada instalação elétrica, cujos detalhes eram esmiuçados em um complicadíssimo contrato de …

Escrita à mão ajuda a fixar mais dados, apontam estudos

Não é uma boa ideia aposentar a tradicional escrita à mão, com lápis e caderno, como ferramenta didática.

Estudos recentes mostram que tanto as crianças que estão sendo alfabetizadas quanto adultos podem ter vantagens no aprendizado quando colocam as palavras no papel, à maneira antiga.

No caso dos pequenos, traçar as letras com lápis e caneta parece ser uma ginástica mental mais poderosa do que simplesmente procurá-las num teclado, além de potencializar o aprendizado do vocabulário e ser mais útil contra problemas como a dislexia. Para os jovens, anotações feitas em cadernos têm mais potencial para ajudá-los a fixar o conteúdo da aula.


Ler e escrever, em especial do jeito tradicional, são tarefas cognitivas complexas. É preciso juntar numa única orquestra de neurônios áreas cerebrais de ação motora, de linguagem e de raciocínio.






Num estudo publicado na revista científica "Trends in Neuroscience and Education", pesquisadoras observaram o que acontece no cérebro de crianças com i…

Cientistas criaram uma música que deixa bebês felizes

A música é uma parte importante das nossas vidas. A pesquisa sobre o seu impacto em adultos é diversificada, já em bebês é mais fragmentada e eclética.

Apesar disso, os cientistas sabem que os bebês podem ouvir e se lembrar de músicas mesmo quando ainda estão no útero.

O problema é que é difícil saber como as canções os afetam, uma vez que eles não podem simplesmente falar o que estão pensando ou sentindo.

O que sabemos
A maioria dos trabalhos sistemáticos descobriu que os bebês têm preferências claras por consonância sobre dissonância, e podem se lembrar do ritmo e do timbre de músicas que ouviram antes.

Além disso, eles preferem a voz feminina, e gostam ainda mais quando ela assume qualidades “maternais” (o tom de alta energia que todos nós adotamos quando falamos com bebês).

Mas suas reações emocionais à música são mais misteriosas. Que tipo de música os torna calmos e contentes? E felizes?

Trio científico
O pessoal da C&G’s Baby Club queria criar “uma canção cientificamente c…