Pular para o conteúdo principal

PRODUÇÃO AUTOMATIZADA NO MUNDO DA IMPRESSÃO 3D





A empresa de impressão em 3D Voodoo Manufacturing, com sede em Brooklyn, completou o Projeto Skywalker, um cluster de impressoras 3D totalmente funcional, operado por robôs, composto por nove impressoras 3D e um braço robótico. O sistema pode remover e substituir automaticamente a placa de construção de uma impressora 3D quando uma impressão é concluída.


Seria justo dizer que Voodoo Manufacturing está nadando contra a corrente no mundo da impressão 3D. Em uma indústria onde a produção de pequenos lotes, peças sob medida isoladas e itens únicos estão à ordem do dia, a Voodoo Manufacturing é uma das poucas empresas nos EUA – e talvez no mundo – que está fazendo as coisas de maneira totalmente diferente. Não em termos de suas impressoras 3D individuais, que a empresa descreve como “regulares” impressoras de FDM, mas em termos de como essas impressoras 3D são usadas.

Voodoo Manufacturing está fazendo as coisas de forma diferente, construindo uma série de “fábricas robóticas” que consistem em várias (às vezes centenas) de impressoras 3D unidas. Estes sistemas de impressão 3D, ou “clusters”, podem ser usados ​​para imprimir números enormes de uma única peça, fornecendo todas as vantagens técnicas de um objeto 3D impresso, enquanto desafiando a suposição de que a impressão 3D só pode ser usado para a produção de pequenos lotes.



Hoje, a Voodoo Manufacturing anunciou uma nova e excitante adição ao seu repertório. O designadamente chamado Skywalker projeto está sendo faturado como o “primeiro robô totalmente funcional operado para um cluster de impressoras 3D”, um sistema capaz “coletar” impressões concluídas, removendo e substituindo a placa de construção, uma vez que cada objeto está completo. A empresa disse que este ato de remover e substituir a placa construída ocupou cerca de 15% do tempo de seus funcionários, tornando-se um processo maduro para a automação.

De acordo com a Voodoo Manufacturing, a Skywalker é composta por nove impressoras 3D montadas em racks de servidores, uma pista onde o robô pode depositar as placas colhidas para serem coletadas pelos funcionários e uma “tremonha” de placas que alimenta placas novas e limpas ao robô conforme necessário. As impressoras 3D e o braço robótico são mantidos sincronizados por software dedicado, assegurando que a colheita ocorre assim que a impressão for concluída e que a próxima impressão comece logo que a colheita esteja concluída.

“Vê-lo totalmente operacional pela primeira vez foi incrível”, explicou Jonathan Schwartz, cofundador e Chief Product Officer da Voodoo Manufacturing. “Nós o funcionamos sem tripulação durante a noite, e na parte da manhã ele estava produzindo peças por 14 horas seguidas! Agora estamos ansiosos para implantá-lo em escala e aumentar a capacidade da nossa fábrica em cerca de 400%. ”

E enquanto a equipe Voodoo está feliz com o Projeto Skywalker, o sistema não é de forma alguma o destino final da empresa. O objetivo final do Voodoo é criar um sistema de “luzes apagadas” que possa realizar autonomamente todo o processo de impressão em 3D sem ser operado. A empresa acha que este tipo de sistema permitirá que ele fabrique grandes quantidades de peças impressas em 3D a baixo custo e com prazos de entrega curtos, tornando-se um rival sério para moldagem por injeção, uma técnica amplamente vista como mais eficiente para a produção de lotes grandes.



“Tivemos que provar a nós mesmos que poderíamos fazer isso”, disse Max Friefeld, cofundador e CEO da Voodoo Manufacturing. “Honestamente, os resultados me surpreenderam. Este é o futuro de como nós dirigiremos nossa fábrica. Nosso objetivo é reduzir os custos em 90% e competir com moldagem por injeção para corridas de até 100.000 unidades “.

Enquanto a decisão de nomear o sistema “Project Skywalker” continua a ser um mistério (é o braço robótico? A força? O sabre de luz?), fica claro o que a Voodoo Manufacturing está tentando fazer com esta complexa e automatizada fábrica de impressão em 3D. A empresa está confiante não só em seu próprio sucesso futuro, mas que seu sucesso irá solicitar uma grande revisão de como a indústria de impressão 3D funciona.

“Estamos empolgados em participar daquilo que consideramos como uma transição fundamental para a indústria, que definirá a maneira como fazemos as coisas para o futuro previsível”, acrescentou Schwartz. “No entanto, isso certamente vai criar uma nova economia mundial onde o trabalho manual se torna automatizado na maioria das fábricas. Nós respeitamos que este é um problema, assim nós todos ainda temos muito para falar. ”

Fonte: 3ders.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de configuração do CURA usando PLA

Essas são as configurações que eu fiz em minha impressora ANET A8 para imprimir no PLA.

Criei 2 perfis, um com média qualidade (0,2mm) e outro com alta qualidade (0,1mm).

Média Qualidade



 Alta Qualidade

No filme o Livro de Eli, o personagem principal é cego?

Acho que o filme vale a pena, não só pela excelente fotografia, mas por alguns outros pontos. Eli pode ser cego sim. Ainda vou assistir mais uma vez o filme para confirmar, mas alguns detalhes são importantes para serem notados:
1) Cegos geralmente usam óculos de sol, portanto o fato de todo mundo usar, esconde um pouco o fato de ele usar.
2) Nem todos os cegos tem olhos do mesmo jeito. Se ele não for completamente cego, ele é o suficiente para ter que aprender Braile
3) Ele não olha para o sol e sim o sente em sua face.
4) Ele não encherga que a bateria de seu iPod está acabando? pq fica batendo nele?
5) Vai para o escuro lutar com os primeiros bandidos. Uma tremenda vantagem para quem é cego. Técnica muito usada pelo super-herói Demolidor.
6) Só atira qdo ouve de onde vem o tiro. Se ninguém atirar ele não revida.
7) Ele mata um passaro pelo som. É forçado ele acertar tudo, mas isso é para deixar a gente confuso.
Pois bem, só assisti uma vez, mas vou confirmar isso tudo na segunda. Acho qu…

Suporte para Notebook com tubos de PVC

Fonte: http://tecnicolinux.blogspot.com.br